Zuzu Angel: A Mãe Coragem

Em 1921, no dia 5 de junho, nascia Zuleika de Souza Netto, Zuzu Angel. Uma das mais brilhantes estilistas de moda, teve sua vida marcada na busca pelo seu filho Stuart Angel, sequestrado pela ditadura militar, se tornou um desaparecido político.

Essa procura ficou conhecida internacionalmente, principalmente por enfrentar as autoridades da ditadura militar, criando uma coleção estampada com manchas vermelhas, pássaros engaiolados e motivos bélicos. O anjo, ferido e amordaçado em suas estampas, tornou-se também o símbolo do filho. incomodando assim o alto escalão da ditadura militar brasileira. Chegando a fazer um desfile no consulado brasileiro em Nova York. Dessa forma seu protesto e luta tomavam as manchetes internacionais.

Durante anos ela entregava dossiês sobre a morte do filho a americanos que visitavam o Brasil, como o general , então secretário de estado norte-americano, seu caso acabou chegando ao Senado dos Estados Unidos através de um discurso do senador Edward Kennedy, a quem Zuzu fez chegar a denúncia da morte do filho. Um dos episódios marcantes que ficou conhecido, ela tomou o microfone de uma aeromoça e avisou que “que desceriam no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, Brasil, país onde se torturavam e matavam jovens estudantes”.

O corpo de Stuart Angel nunca foi encontrado, e o governo militar espalhava cartazes com seu rosto escrito procurado. Essa busca só terminou com sua morte, quando seu carro capotou no túnel que hoje leva seu nome, “Túnel Zuzu Angel”. Dias antes ela entrega a Chico Buarque que deveria ser publicado caso lhe acontecesse algo, que dizia “Se eu aparecer morta, por acidente ou outro meio, terá sido obra dos assassinos do meu amado filho”.

Em 1998 a Comissão Especial dos Desaparecidos políticos reconheceu que Zuzu morreu de maneira não natural, em 2007 a comissão inseriu depoimento de duas pessoas que afirmam ter visto o carro de Zuzu Angel ter sido fechado e atirado de uma altura de 5 metros. Em 2013 o vazamento do WikiLeaks com documentos americanos mostraram que trechos em citava o atentado à estilista, com uma “hipótese de acidente não seja estranha”. Em 2014 o ex-agente do Dops Cláudio Antônio Guerra escreveu o livro Memórias de uma Guerra Suja, no qual relata diversos crimes dos quais participou e fornece detalhes de fatos históricos daquela época que incluem o Atentado do Riocentro, a morte de Zuzu Angel.

Em 2019, sua filha Hildegard Angel se dirigiu ao 8.º cartório do Registro Civil da Tijuca, com um mandado judicial, e conseguiu finalmente emitir as certidões de óbito de sua mãe, Zuleika, e de seu irmão, Stuart. As causas das mortes foram atestadas como “morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro, no contexto da perseguição sistêmica e generalizada à população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985”.

Portal C3 | Portal C3 Oficial | Comunicação de interesse público | ComCausa

 

João Oscar

João Oscar é militante da Pastoral da Juventude da Baixada e jornalista comunitário.